Vereadores se calam sobre gastos milionários de David Reis

Dos 41 vereadores da CMM, apenas dois decidiram tomar uma atitude contra a proposta de gastar R$ 32 milhões dos cofres públicos com a ampliação de gabinetes dos parlamentares.

Portal Soberano

Dos 41 vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM), apenas cinco se manifestaram contra a proposta do presidente da Casa, vereador David Reis (Avante), de construir um novo anexo para ampliação dos gabinetes dos parlamentares, que vai custar mais de R$ 31 milhões aos cofres públicos e sobre o aluguel de picapes para cada um, ao custo de R$ 8,3 mil por mês.

Continua depois da Publicidade

Porém, dos cinco apenas os vereadores Amom Mendel (Sem Partido) e Rodrigo Guedes (PSC) tomaram uma atitude para barrar o gestor inconsequente. Eles ajuizaram na sexta-feira, 17, uma Ação Popular na Vara da Fazenda Pública Municipal da Justiça do Estado do Amazonas e conseguiram impedir a realização da construção. O juiz Marcelo da Costa Vieira, aceitou os argumentos dos parlamentares e barrou David Reis de seguir com os tramites da obra. Após a decisão judicial, a Câmara Municipal de Manaus (CMM) anunciou suspensão da licitação para locação de 41 picapes de luxo, que também seria levada a Justiça pelos parlamentares.

O vereador Capitão Carpê (Republicanos) já havia se manifestado em divulgado em suas redes sociais contra a construção do ‘puxadinho de luxo’ e após a decisão judicial decidiu falar novamente seu posicionamento. “Qual a NECESSIDADE dessa obra?! Estamos enfrentando e tentando sair da maior crise sanitária do mundo, o reflexo, é o aumento da taxa de desemprego no nosso estado e no país”, disse.

“DERRUBADA!!! Abri mão dessa possível regalia desde início por entender que o momento é inoportuno e nós temos muito mais prioridades na cidade de Manaus, a população como um todo também se pronunciou contra esses aluguéis”, reafirmou.

Continua depois da Publicidade

Após verem o circo pegar fogo e a derrota do presidente da CMM, somente nessa sexta-feira (17), dois parlamentares da CMM resolveram se posicionar sobre o caso. Entre eles, está o vereador Raiff Matos (DC) que, por meio de nota divulgada nas redes sociais, afirmou que ele não tem necessidade de uma picape para usar em seu mandato, neste momento. Além dele, o vereador Kennedy Marques (PMN) também decidiu se manifestar, também por meio de nota, afirmando que não concorda com os gastos e que seu trabalho é na rua, portanto, não necessita de ampliação do seu gabinete.

Em oposição a Amom e Guedes está a “bancada do puxadinho milionário”, alinhada com o presidente David Reis e contra os interesses da população, que classifica a manifestação dos vereadores como oportunista e visando as eleições de 2022. Existem também os parlamentares que comeram abiu e não se manifestaram sobre a situação.

Continua depois da Publicidade

Entre os vereadores que apoiam o gasto milionário para ampliação de seus gabinetes ou que se calaram diante da importante discussão estão: Allan (PSC); Bessa (SOLIDARIEDADE); Caio André (PSC); David Reis (AVANTE); Diego Afonso (PSL); Dione Carvalho (PATRIOTA); Drº Daniel Vasconcelos (PSC); Drº Eduardo Assis (AVANTE); Eduardo Alfaia (PMN); Elan Alencar (PROS); Everton Assis (PSL); Fransua (PV); Glória Carratte (PL); Ivo Neto (PATRIOTA); Jaildo Oliveira (PCdoB); Jander Lobato (PTB); João Carlos (REPUBLICANOS); Joelson Silva (PATRIOTA); Lissandro Breval (AVANTE); Marcel Alexandre (PODE); Marcelo Serafim (PSB); Marcio Tavares (REPUBLICANOS); Mitoso (PTB); Peixoto (PTC); Professor Samuel (PL); Professora Jacqueline (PODE); Raulzinho (PSDB); Rosinaldo Bual (PMN); Rosivaldo Cordovil (PSDB); Sandro Maia (DEM); Sassá da Construção Civil (PT); Thaysa Lippy (PP); Wallace Oliveira (PROS); Wanderley Monteiro (AVANTE); William Alemão (CIDADANIA); Yomara Lins (PRTB).

O valor do anexo que David Reis quer fazer é 10 vezes maior que o orçado durante a construção do Anexo I, em 2018, que custou cerca de R$ 4,4 milhões. O prédio do Anexo I abriga um miniauditório, gabinetes de vereadores e o memorial da Câmara.

Continua depois da Publicidade

Embate

Em sessão, na última segunda-feira (13), Rodrigo Guedes afirmou na tribuna da CMM que a obra não é relevante para a população e pediu que a Mesa Diretora da Casa encaminhe o recurso milionário a Prefeitura de Manaus, para que seja usado em ações populares. Porém, o parlamentar foi rebatido pelos defensores do presidente da Casa.

O vice-presidente da CMM, Wallace Oliveira, se manifestou contra Guedes considerando seu discurso como ‘palanque eleitoral’ e chegou até mesmo a parabenizar David Reis pela ideia de realizar a construção milionária. “Essa obra não pode ser chamada de puxadinho. Esses discursos oportunistas e eleitoreiros não podem ocorrer. Quando alguém aqui é atacado, toda a instituição é atacada. Quero me solidarizar com o senhor presidente, por esses discursos. Vossa Excelência está de parabéns. Essa obra traz a consolidação do que a população de Manaus precisa. Sou contra o discurso barato de quem quer montar palanque para se projetar”, considerou.

Os vereadores Diego Afonso, Bessa, Lissandro Breval e Gloria Carrate também defenderam a construção do anexo como uma prioridade para Manaus.

Glória, inclusive, usou o termo “futricas” para categorizar cobranças como as de Rodrigo Guedes. Para ela e para a maioria dos parlamentares, o gasto excessivo de dinheiro do contribuinte deve ser tratado entre quatro paredes, bem distante da população em geral e dos eleitores em particular.

*Com informações da assessoria de imprensa