Deputado repudia ataques ao médico Marcus Lacerda por comprovação de ineficiência da cloroquina

Houve duas representações contra Marcus Lacerda. Uma no MPF (Ministério Público Federal) e outra no CRM-AM (Conselho Regional de Medicina no Amazonas), mas transferida para o CRM-PA, ambas arquivadas por falta de provas condenatórias.

Foto: Divulgação

 

Portal Soberano

Continua depois da Publicidade

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) repudiou, nesta quinta-feira, 20, ataques e a tentativa de difamação ao médico Marcus Lacerda, que comprovou através de um estudo científico, pelo Hospital de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado, a ineficiência da cloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19.

O medicamento é defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no tratamento precoce da doença e foi tema na audiência dessa quarta-feira, 19, na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19 no Senado.

“Como o Brasil inteiro, tenho acompanhado os trabalhos da CPI da pandemia e ontem, voltou o assunto da cloroquina. Em um determinado momento, alguns parlamentares colocaram em dúvida a correção do trabalho científico, que foi feito em Manaus, e que concluiu pela ineficiência da cloroquina. Esse foi um trabalho científico da Fundação de Medicina Tropical, tendo como coordenador o Dr. Marcus Lacerda e, de certa forma, ele que não é um político, mas um médico, um cientista com relevantes serviços prestados à ciência”, disse Serafim.

Continua depois da Publicidade

O líder do PSB na ALE-AM (Assembleia Legislativa do Amazonas) afirmou que o médico foi alvo de uma responsabilidade negativa pelas mortes de pessoas que autorizaram a fazer o tratamento com cloroquina como teste. “Lacerda não é o responsável por isso. Houve a prova da ineficácia e isso ficou muito claro. Sempre existem políticos que querem tripudiar sobre a ciência e ele foi alvo de uma dessas situações”, explicou.

Houve duas representações contra Marcus Lacerda. Uma no MPF (Ministério Público Federal) e outra no CRM-AM (Conselho Regional de Medicina no Amazonas), mas transferida para o CRM-PA, ambas arquivadas por falta de provas condenatórias.

Continua depois da Publicidade

“Ocorreram duas representações. Uma no MPF, e ela foi arquivada pela procuradora, Dr. Maria Lindora Araújo, que atua junto ao procurador-geral Augusto Aras. A outra representação feita perante o CRM-AM, como dois conselheiros pertencem à FMT-HVD (Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado), o CRM-AM entendeu que o mais correto seria declinar à competência em favor do CRM-PA. Assim foi feito para que houvesse um julgamento isento de qualquer tipo de pressão. O CRM-PA decidiu pelo arquivamento”, pontuou o deputado.

Serafim afirmou que Lacerda merece reconhecimento por sua atuação na ciência e no combate ao novo coronavírus e que todas as acusações foram infundadas.

Continua depois da Publicidade

“Minha manifestação é para me solidarizar ao Dr. Marcus Lacerda, como disse, um médico e cientista que tem sua vida voltada para ciência e medicina e só merece de todos nós o reconhecimento e jamais esse tipo de agressão e insinuações como vinham sendo feitas pela CPI da Covid-19”, concluiu.

 

*Com informações da assessoria de imprensa.