Após votação “relâmpago”, Amom alerta sobre possível plano de David Reis de retornar com obra do puxadinho de R$ 32 milhões

De acordo com Amom o aumento de servidores comissionados pode ser usado pelos vereadores aliados do presidente da Casa, para alegar necessidade de gabinetes maiores.

Portal Soberano

O vereador Amom Mandel usou as redes sociais para alertar o povo sobre um possível plano de trazer de volta projeto para construção do “puxadinho” que teve a licitação barrada pela Justiça do Amazonas, na Câmara Municipal de Manaus (CMM), comandada pelo vereador David Reis (Avante). A licitação foi barrada após Mendel e o vereador Rodrigo Guedes (PSC) solicitarem na Justiça a suspensão do projeto, que custaria quase R$ 32 milhões aos cofres públicos municipais, em pleno período de pandemia.

Continua depois da Publicidade

Recentemente foi reajustado durante votação “relâmpago” o valor da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP), famoso Cotão, que saltou de de R$ 18 mil para R$ 33.086,05. Além do diferencial no valor total da verba, outra mudança aprovada foi de que cada gabinete poderá alocar até 45 assessores parlamentares, 10 a mais do que atualmente é permitido.

De acordo com Amom o aumento de servidores comissionados pode ser usado pelos vereadores aliados do presidente da Casa, David Reis, para alegar necessidade de gabinetes maiores – o que pode dar margem para voltar às discussões em torno da construção do “puxadinho” milionário.

“Primeiro aumentam a quantidade de assessores permitida por Lei, depois voltam a dizer que os gabinetes são pequenos e tem que construir o famoso “puxadinho”. Vai vendo 🤡…”, escreveu Mandel no texto da postagem.

Continua depois da Publicidade