Médicos pedem demissão após denunciarem irregularidades em hospital de Parintins

Eles decidiram pedir demissão e sair da cidade.

Portal Soberano

Os médicos Daniel Tanaka e Oziel Souza foram afastados das funções após denunciarem irregularidades na distribuição de oxigênio a pacientes da Covid-19 do Hospital Jofre Cohen, administrado pela Prefeitura de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus). Eles decidiram pedir demissão e sair da cidade.

Continua depois da Publicidade

Daniel Tanaka, que agora está em São Paulo, afirma que depois de fazer as denúncias foi afastado e transferido para outra unidade de saúde no município, mas não aceitou.

“Fui afastado do Hospital Jofre Cohen, referência no atendimento à Covid, por esse motivo. Diante disso pedi desligamento, pois ficaria com a atuação restrita no Hospital Padre Colombo, na anestesia”, disse.

Tanaka afirma que foi o responsável por preparar o Jofre Cohen para atender pacientes da Covid-19. “Desde o início eu atuei na pandemia. Eu que estruturei o hospital”, disse.

Continua depois da Publicidade

Oziel Souza disse que deixou o município porque recebeu ligações com ameaças de morte. O médico afirma que mais detalhes das ameaças que sofreu enviou para a Polícia Federal, que segundo ele, o ouvirá presencialmente.

Os médicos são citados em manifesto assinado por 44 movimentos sociais, cidadãos e cidadãs de Parintins e de outros municípios do Amazonas. O documento traz uma série de denúncias contra a gestão do prefeito Bi Garcia (DEM), e cobra das autoridades uma investigação em relação à crise sanitária da pandemia de Covid-19 no município.

Continua depois da Publicidade

No documento, há denúncias de contaminação de pacientes, demissão de médicos que relataram irregularidades, falta de medicamentos, negligências nas transferências de pacientes, ausência de um planejamento municipal para enfrentamento da pandemia, vestígios de superfaturamento da usina de oxigênio, entre outras.

O manifesto foi lido em protesto realizado em frente à catedral da cidade na última quarta-feira, 24. Phelipe organizou o ato público. Ao tomar conhecimento do documento elaborado pelos movimentos sociais, se uniram e lançaram o ‘Manifesto pelo Direito à Saúde e à Vida Digna’.

Continua depois da Publicidade