Senadores do AM acusados de corrupção querem CPI para investigar crise da saúde no Amazonas

Se aprovada a CPI, ela será composta de 11 membros titulares e 7 membros suplentes.

Portal Soberano

Requerimento para a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com objetivo de apurar as ações e omissões do Governo Federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil e, em especial, no Amazonas com a ausência de oxigênio, foi assinada pelos três senadores do Estado, Omar Aziz (PSD), Eduardo Braga (MDB) e Plínio Valério (PSDB).

Continua depois da Publicidade

Se aprovada a CPI, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede), será composta de 11 membros titulares e 7 membros suplentes, para, no prazo de 90 dias, com limite de despesas de R$ 90 mil, apurar as ações e omissões do Governo Federal diante da situação crítica da saúde em todo o Brasil e do Amazonas, que vive uma explosão de casos na segunda onda da doença no Estado.

O requerimento obteve 27 assinaturas, segundo a assessoria do líder da Rede no Senado, e deve ser protocolado ainda nesta quarta-feira (3). Depois, seguirá para a aprovação do recém-empossado presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Braga e Omar tem os nomes envolvidos em alguns casos de corrupção investigados pelas Operações Lava-Jato, Maus Caminhos e Vertex.

Continua depois da Publicidade

Em 2017, foi aberto inquérito para investigar os dois senadores a partir da delação do ex-executivo da empreiteira Odebrecht Arnaldo Cumplido de Souza. O emedebista foi figura de destaque entre os acusados de receber propina ou caixa dois da empreiteira Odebrecht que teriam dobrado seu patrimônio. No ano seguinte o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou o arquivamento do inquérito.

De acordo com um dos depoimentos do delator, teria ocorrido um acerto para que fossem feitos repasses aos investigados, ambos ex-governadores do Amazonas, para favorecer a empreiteira nas obras da ponte do Rio Negro.

Continua depois da Publicidade

Omar Aziz também foi investigado em 2019 pela Polícia Federal (PF) por suspeita de desvios de recursos da saúde estadual do Amazonas para beneficiar ele e seus familiares.

Relatório produzido pela PF no estado na época, indiciou o senador por lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa para desviar recursos do Instituto Novos Caminhos (INC), organização social contratada pelo governo para gerenciar unidades de saúde.

Continua depois da Publicidade

Em julho de 2019, a esposa e três irmãos de Omar chegaram a ser presos pela PF, mas foram soltos na sequência.

Naquele ano, a PF disse que tinha “fortes indícios” de que a família Aziz recebeu vantagens indevidas como: mesada de R$ 500 mil para Omar; pagamento de contas do apartamento do senador em Brasília; repasses a três irmãos e à mulher de Omar, Nejmi Aziz; viagens em aeronaves particulares bancadas por Moustafa; consultas médicas para a mãe do senador em unidades de saúde de luxo; um relógio de R$ 36 mil da marca Cartier como presente de aniversário para o senador; pagamentos avulsos que variavam de R$ 2.000 a R$ 250 mil.