Agenda Virtual apresenta projetos contemplados pela Lei Aldir Blanc

Programação está disponível no Portal da Cultura.

Foto: Divulgação

 

Portal Soberano

Continua depois da Publicidade

Os projetos contemplados pela Lei Aldir Blanc, como os prêmios Feliciano Lana, Encontro das Artes e os editais da Prefeitura de Manaus, estão disponíveis na “Agenda Virtual”, do Portal da Cultura. A iniciativa do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, tem a proposta de divulgar artistas e estimular o público a conhecer trabalhos de diferentes segmentos, que reúnem centenas de trabalhadores da cultura em cada realização.

Para cadastrar, basta acessar o link http://bit.ly/aldirblancagenda e preencher as informações no formulário. Em seguida, o evento será disponibilizado em cultura.am.gov.br.

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa também divulga as listas dos projetos contemplados nas redes sociais. Segundo o titular da pasta, Marcos Apolo Muniz, a agenda também vai abranger propostas de editais realizados nos municípios do Estado.

Continua depois da Publicidade

“É importante mostrar quantos trabalhadores da cultura estão envolvidos nas ações e a importância da Lei Aldir Blanc, neste momento de impacto na cadeia produtiva da cultura e economia criativa, por conta da pandemia da Covid-19”, comenta o secretário. E acrescentou que “em 25 dias no ar, no Portal da Cultura, tivemos 56 projetos cadastrados na Agenda Virtual, sendo 35 do Feliciano Lana, 19 do Encontro das Artes e 2 do Prêmio Manaus de Conexões Culturais”.

Projetos – Nesta sexta (23/04) tem live de lançamento do projeto “The Roots VR”, game musical e educativo, idealizado pelo músico e produtor César Lima, contemplado no edital Prêmio Feliciano Lana. A apresentação vai ser pelo canal The Roots VR no Youtube (http://bit.ly/youtubetherootsvr), a partir das 20h, e ainda fica disponível gratuitamente no site www.therootsvr.com.br.

Continua depois da Publicidade

Entre os instrumentos do jogo estão gambá de maués, percussão feita do tronco da árvore da Cupiúba e pele de caça que é tradicionalmente usado pelos ribeirinhos e em  festas dos santos em Maués, tambor de cuia, percussão de cuia e tampo de Marupá, parte  dos bioinstrumentos criados pelo poeta e artesão Celdo Braga, mawako fêmea, instrumento melódico da etnia Desana/Tukano, usado em festas e rituais ligados à produtividade e farturas na comunidade, e chuá-chuá, percussão com material reciclado e sementes nativas criada pelo percussionista e artesão João Paulo.

Na ficha técnica, César Lima assina direção geral e sound designer, enquanto Raphael Moraes vem como modelador 3D, Mikael Quites como concept art, Ivo Stinghen no unity developer, Duda Castro como intérprete de Libras, Karlus Marcathu como web designer e gerenciador de mídias, e César Edgar na pintura digital web.

Continua depois da Publicidade

Nesta sexta-feira, às 17h, a Soufflé de Bodó Company abre as portas do “Jandira Theater Move”, primeiro teatro contêiner itinerante da região norte, para exibir o espetáculo “Herói” no Youtube e no Instagram da companhia (@souffledebodo). O projeto foi contemplado no Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e apresenta um monólogo sobre a infância de um menino, que é um boneco de neve e perde a família porque os pais derretem. Ele é o único que não derrete porque tem uma deficiência.

O trabalho conta com Francis Madson na concepção do texto, direção, figurino e iluminação e Denis Carvalho em cena e na produção. Já Klindson Cruz assina a assistência de produção.

Após quase um mês de bate-papos, oficinas e apresentações artísticas on-line, o projeto “Pitiú Textual das Artes: Jovens Artistas” encerra neste sábado (23/04), com a apresentação das videoperformances “Contratempo”, de Walter Juur, e “(não é) Um dia qualquer”, de Diego Leo. Os trabalhos, explorações solo dos artistas acerca de vivências pessoais da pandemia, tem apresentação gratuita a partir das 19h30, via plataforma Zoom, com classificação indicativa de 18 anos.

Juur e Diego Leo apresentam ainda depoimentos sobre os processos criativos e trocam ideias com os espectadores. Para acesso, basta seguir o link do evento em linktr.ee/pitiutextual.

O “Pitiú Textual das Artes: Jovens Artistas”, iniciativa do artista Francisco Rider e do jornalista Jony Clay Borges, foi contemplado no Prêmio Feliciano Lana.

A programação do Festival de Circo Lona Aberta acontece até domingo (25/04), às 19h, no canal da Cacompanhia Artes Cênicas no Youtube (@cacompanhia), com oficinas, videoaulas, talk show, fórum e espetáculos. Todas as noites encerram com o palhaço Caco, que recebe convidados no “Caconversa – Talk Show”, um ponto de encontro entre artistas e público para promover um intercâmbio da cena circense.

O projeto foi contemplado no edital Prêmio Feliciano Lana e, em sua primeira edição, teve cinco noites temáticas, com um grupo convidado de cada eixo. Para as ações formativas são divulgados vídeos de 15 minutos com tutoriais de malabares, parada de mão, mágica para iniciantes, confecção de aparelhos circenses com material reciclado e maquiagem circense, postados diariamente no IGTV e no canal da companhia no Youtube.

A equipe técnica é formada por Jean Palladino, como coordenador geral, Francine Marie como coordenadora pedagógica, Taciano Soares como coordenador executivo, Ana Oliveira como diretora de produção, Carol Calderaro na coordenação técnica e Kelly Vanessa na produção executiva.

No domingo (25/04), das 16h às 18h, tem Mostra Cultural Indígena – Dabukuri Digital, que vai apresentar as manifestações culturais dos povos indígenas do Parque das Tribos, com transmissão na página dubukuridigital, no Facebook.

Contemplado pelo Prêmio Feliciano Lana, o projeto promove ainda oficinas online de confecção artesanal de bijuterias com sementes e pinturas de grafismos indígenas.

A coordenação traz as atrizes Fabiene Priscila e Patrícia Mazzullo e a artesã e professora indígena Claudia Baré, com a promoção da troca de experiências culturais e artísticas entre indígenas e não indígenas.

O primeiro EP da cantora Gabe, “Ardido”, também já está na pista. Ela apresenta oito faixas, gravadas e mixadas em Manaus, disponíveis em todas as plataformas de músicas e redes sociais (@gabeax).

O projeto da artista de 19 anos foi contemplado pelo Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult). Poeta e compositora, Gabe agrega à sua rima temas como o enfrentamento de frustrações, busca da autoestima, amor próprio e causas feministas.

Filha dos líderes da banda de rock Pacato Plutão, Gabe conta com a mãe, Cynara Lima, na produção geral do EP e com o pai, Leonardo Lima, na guitarra. A ficha técnica tem Virna Lisi Vieira na produção executiva, Rakel Caminha na fotografia, criação e arte, além de Thomaz Campos no baixo e Matheus Simões na bateria.

“Ardido” foi produzido no estúdio Sonora Music, com Guilherme Bonates e André Oliveira, que também assina a mixagem e masterização.

No canal do Barquinho Infância no Youtube (@barquinhoinfancia) foi disponibilizada a primeira temporada virtual do espetáculo “Meninos do Quintal”, do grupo amazonense Criatê, com tradução em libras, visando inclusão e acessibilidade, além de levar para o palco histórias reais, inspiradas nas infâncias vividas no quintal. O projeto, aprovado no Prêmio Feliciano Lana, traz, além da exibição do espetáculo, três episódios para incentivar as crianças a brincar ao ar livre e mostrar que o quintal de casa é um mundo repleto de possibilidades.

Em cena, os atores Clayson Charles, Sininho Mendes e Camila Maria dão vida aos primos Tico-Tico, Formiga e Pé de Moleque. A equipe traz ainda o ator Manuel Fagache, John Weiner na iluminação, Gabriel Bevilaqua na música, Epitácio Gaspar na produção executiva, Karoline Ribeiro na produção e Hamyle Nobre nas mídias sociais.

Na terça-feira (27/04), das 14h às 18h, é a vez da Espatódea Trupe promover um intercâmbio de Teatro de Rua com artistas de Manaus e Manacapuru, em projeto contemplado pelo edital Prêmio Encontro das Artes. A programação, no formato virtual, conta com uma oficina com a professora Emille Nóbrega e espetáculo, que vão ser exibidos pelo Instagram (@teatroderuampu).

 

*Com informações da assessoria de imprensa.