Prefeitura de Manaus decreta luto oficial de três dias pela morte de Zezinho Corrêa

Zezinho lutou por mais de um mês contra o covid-19. Na sexta (06/02) não resistiu e faleceu.

Portal Soberano

O prefeito de Manaus, David Almeida, declarou luto oficial de três dias pela morte do cantor amazonense Zezinho Corrêa, ocorrida na manhã deste sábado, 6/2. O decreto de luto, uma homenagem e reconhecimento à expressiva e incansável difusão do artista à cultura amazonense, foi publicado em edição extra do Diário Oficial do Município (DOM) na noite de hoje.

Continua depois da Publicidade

Zezinho Corrêa morreu aos 69 anos em decorrência do agravamento da Covid-19. O corpo do cantor foi velado no balneário do Sesc, zona Oeste, em cerimônia restrita a amigos e familiares. Zezinho foi sepultado no cemitério São João Batista, zona Centro-Sul, no final da tarde.

Durante o período referido no decreto, a bandeira nacional e demais pavilhões ficarão hasteados a meio mastro na sede dos órgãos e entidades componentes da administração pública municipal.

Homenagens

Continua depois da Publicidade

Durante todo o sábado, familiares, amigos e fãs, brasileiros e estrangeiros, prestaram homenagens nas redes sociais a Zezinho Corrêa, ícone da música amazonense. O presidente do Conselho Municipal de Cultura (Concultura), o escritor e poeta Tenório Telles, dedicou uma poesia ao amigo intitulada “O tic-tic-tac das araras” em alusão ao hit “Tic Tic Tac”, eternizada e consagrada na voz do cantor à frente do grupo Carrapicho.

O tic-tic-tac das araras

Continua depois da Publicidade

Tenório Telles

Querido Zezinho,

Continua depois da Publicidade

Hoje de manhã acordei com a cantoria

de um casal de araras:

Ao abrir a janela – encenavam

seu canto desajeitado e belo.

Estavam num açaizeiro

comendo os frutos: tic-tic-tac…

Notei que o dia aos poucos

ia se colorindo de azul, vermelho e amarelo.

Achei tudo surpreendente:

Elas nunca tinham aparecido antes.

Logo depois soube que partiste.

Como acredito no invisível

e no mistério das coisas,

pensei que as araras estavam

cantando e colorindo a manhã

para te celebrar – como antigamente

se celebravam os artistas, os poetas e os heróis.

Também pensei que aquelas araras podiam

estar levando teu Ser

[esse grão de eternidade

com que nascemos]

para o paraíso dos bons

dos que encantam a vida

e a ajudam a ser melhor.

Com teu canto, Zé, levaste

pra tantos lugares

pra terras distantes

o nosso chão e a nossa gente.

E agora – Zé – as araras se foram:

Só vieram te saudar…

Com o choro preso na garganta,

não consigo entender por que

essas coisas acontecem.

Nossa cidade vive enlutada

com tantas partidas,

com a dor de pais, mães, filhos

– tantas amizades e amores quebrados…

: Manaus se tornou uma cidade sitiada pela dor,

os cemitérios não param de crescer…

E agora – Zé – essa nuvem de suplício

te levou também de nós:

mais que a dor da perda,

daqui pra frente – a dor maior

será viver sem o teu canto,

sem a tua alegria

e sem a bondade dos teus gestos.

Zé,

que as araras te acompanhem

e chegues bem ao lugar onde

os bons descansam da lida do mundo

– e o grão do teu ser

floresça belo e luminoso

e de lá sigas cantando

e encantando nossas vidas.

*Com informações da assessoria