Colunista diz que Omar Aziz e Braga querem usar relatório final da CPI da Covid para atingir rivais políticos do AM

Segundo o colunista, durante um jantar promovido por Tasso Jereissati os dois apontaram nomes de rivais políticos do Amazonas para comporem a lista de indiciados.

Portal Soberano

Os senadores do Amazonas Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga (MDB), ambos pré-candidatos das eleições de 2022, travaram uma dura discussão no jantar oferecido pelo também senador Tasso Jereissati, na última terça-feira, sobre a inclusão de políticos do estado e desafetos deles no relatório final da CPI da Covid. A informação é do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o jornalista, Eduardo Braga defende que o relatório produzido pelo senador Renan Calheiros (MDB), traga algum tipo de responsabilização ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), que é seu rival político e conseguiu no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de não depor na Comissão. Enquanto que Omar Aziz, disse que se Lima for incluído, o deputado estadual Fausto Júnior (MDB), que foi relator da CPI da Saúde na Assembleia do Amazonas, deve entrar no documento final também.

Segundo o Jadim, os senadores que compõem a CPI estão buscando uma solução que contemple os pedidos dos senadores do Amazonas para evitar nova guerra no colegiado.

O texto não diz ao certo os motivos para a inclusão do nome de Fausto Jr ou de Wilson Lima. Conforme Lauro Jardim, o assunto causou uma dura discussão entre os membros da CPI.

Continua depois da Publicidade

Procurado pela reportagem do AM POST, o deputado Fausto Jr. disse que foi convidado a depor na CPI da Covid para explicar como funcionava o esquema de desvio de recursos na Secretaria de Saúde do Amazonas.

Fausto deixou claro que esteve na CPI como investigador e não investigado, e que ajudou a desmascarar a quadrilha que durante dez anos desviou milhões na Saúde do Estado, em especial durante a pandemia.

Continua depois da Publicidade

Sobre a insistência de Omar em colocar o nome do deputado no relatório final da CPI, Fausto disse que a atitude é uma retaliação do senador, que foi apontado pela Polícia Federal e Ministério Público Federal como um dos responsáveis pelo desvio de recursos na Saúde do Amazonas.

“A CPI da Saúde da Assembleia Legislativa incluiu em seu relatório o inquérito da Operação Maus Caminhos, que deixou claro que Omar é um dos líderes da organização criminosa que desviou recursos da Saúde. Quem disse isso foi a Polícia Federal e o Ministério Público”, afirma o deputado.

Continua depois da Publicidade