Deputado propõe protocolo de guerra para desenvolver indústria de fertilizantes no Amazonas

A ideia é “destravar” e alavancar a produção de fertilizantes no Brasil, onde existe a maior reserva de potássio no mundo.

Portal Soberano

A diminuição na fabricação mundial de fertilizantes, principalmente os produzidos na China, pode afetar a produção de alimentos no Brasil a partir de 2022. O alerta foi dado na sexta-feira (8), pelo presidente Jair Bolsonaro, que teme o desabastecimento agrícola no País.

Continua depois da Publicidade

Para contornar a falta de fertilizantes usados na agricultura, o deputado Fausto Jr. disse que vai propor a criação de uma força tarefa, unindo os governos federal, estadual e prefeituras, além de órgãos ambientais e indústrias de fertilizantes.

“Protocolo de guerra se for necessário. Ano passado o governo federal usou este protocolo para acelerar a produção de respiradores no Brasil. Agora vamos acelerar a produção dos fertilizantes para não deixar faltar comida na mesa dos brasileiros.”, afirmou Fausto.

A ideia é “destravar” e alavancar a produção de fertilizantes no Brasil, onde existe a maior reserva de potássio no mundo. O mineral é a matéria prima usada em larga escala em todos os setores da agricultura, ajudando no rápido desenvolvimento das plantações.

Continua depois da Publicidade

“Proponho uma força tarefa para destravar a produção de potássio no Brasil e, dessa forma, diminuirmos a dependência de fertilizantes importados”, afirmou Fausto Jr. “Somos o maior importador de potássio do mundo, com mais de 10,45 milhões de toneladas compradas por ano”, acrescentou.

Entre as propostas do deputado, está a utilização das jazidas de potássio localizadas nos municípios de Autazes, Itacoatiara, Nova Olinda do Norte, Silves, Nhamundá, Itapiranga e São Sebastião do Uatumã, no interior do Amazonas.

Continua depois da Publicidade

Segundo pesquisas do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), os municípios possuem as maiores reservas de potássio do Brasil, capazes de resolver a dependência de fertilizantes no País.

“Nossa produção seria capaz de acabar com a dependência de potássio no Brasil e, principalmente, garantir a produção de alimentos”, afirmou o deputado. O excedente na produção pode ser vendido a outros países que enfrentam também a queda na oferta de fertilizantes.

Continua depois da Publicidade

A criação da força tarefa para exploração das reservas minerais vai permitir a injeção de recursos públicos e privados no interior do Amazonas. “Os investimentos trazem oportunidades e negócios e mais empregos. É o que nosso povo precisa”, destacou Fausto.

Em 2020, segundo dados do Ministério da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento (MAPA), o Brasil gastou mais de R$ 40 bilhões com a importação de matéria-prima para fertilizantes. “São recursos que poderiam estar entrando nos cofres do Amazonas e do Brasil, fomentando a nossa economia, além de se tornar uma alternativa, além da Zona Franca de Manaus”, planeja o deputado.

*Com informações da assessoria de imprensa