Após escândalo em contrato de R$ 600 milhões, Plínio Valério defende CPI das ONG’s na Amazônia

Para o senador, muitas instituições arrecadam dinheiro com o falso discurso de investimento na preservação da floresta.

Portal Soberano

Defensor da instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação de Organizações Não Governamentais (ONGs) na Amazônia, o senador Plínio Valério (PSDB) voltou a insistir na ideia nesta quarta-feira (29), após escândalo envolvendo o presidente do Banco do Nordeste (BNB), Romildon Rolin, por conta de contrato anual no valor de R$ 600 milhões com uma ONG.

Continua depois da Publicidade

“Mais um escândalo com ONGs que recebem milhões e ninguém sabe direito como operam. O que justifica contrato de R$ 600 milhões? Imagina o que essas ONGs fazem na Amazônia. Vamos cobrar a instalação da nossa CPI para investigar e separar o joio do trigo agora que o Senado volta à normalidade”, escreveu o parlamentar.

Para o senador, muitas instituições arrecadam dinheiro com o falso discurso de investimento na preservação da floresta. “Ganham muito dinheiro em nome da Amazônia”, disse.

Para o parlamentar, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve demitir Rolin, por conta deste contrato.

Continua depois da Publicidade

*Com informações do Portal AM POST

Continua depois da Publicidade