Presidente-executivo da Abrasel informa sobre o que bares e restaurantes podem esperar para os próximos dias

Paulo Solmucci, divulgou informações sobre o andamento das princiais pautas do setor.

Portal Soberano

O presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, enviou nessa terça-feira (23) um áudio a empresários de todo o Brasil com informações importantes sobre as esperadas medidas de ajuda para bares e restaurantes. Entre elas elas, a reedição da MP 936, a nova fase do Pronampe, pagamentos de impostos, reconstrução e reabertura do setor.

Continua depois da Publicidade

A primeira parte do comunicado se refere à Medida Provisória 936 (depois transformada em lei 14020, que perdeu a validade em 31 de dezembro, junto com o fim do estado de calamidade pública). Ela permite a suspensão de contrato de trabalho e redução de jornada. E, de acordo com Solmucci, até sexta-feira deve sair a reedição da medida, que permite cobrir o salário de abril com pagamento em maio. “Na primeira vez o período de duração foi de 4 meses, atrasou porque a fonte de financiamento não foi adequada, na avaliação do presidente Bolsonaro. Agora parece que temos uma solução”, explica.

Quanto ao Pronampe, foi prorrogada por três meses a carência para o início dos pagamentos. Porém, a medida ainda não foi implementada – é preciso que todos os bancos reajustem seus sistemas. Há informação que o Banco do Brasil e Caixa Econômica devem estar com seus sistemas prontos até quarta-feira desta semana. Mas essa prorrogação precisa ser negociada, é necessário passar pelo gerente, pois não é automática.

Empresários solicitam mais linhas como o Pronampe. “O governo está correndo atrás de recuperar e usar R$ 2 bilhões do ano passado que não foram consumidos e, estão pedindo mais R$ 3,8 bilhões ao Congresso. Com isso, seriam R$ 6 bilhões aproximadamente de recursos novos no Pronampe”, comenta Paulo.

Continua depois da Publicidade

O presidente da Abrasel acredita que os impostos municipais, estaduais e federais serão todos parcelados. “É impossível pagar. A inadimplência está enorme, nós temos hoje, duas empresas em cada três devendo impostos”, ressalta.

Houve boas notícias vindas de São Paulo, sobre o ICMS – foi possível reverter o aumento de alíquota de 90% que o governo do estado tinha feito sobre as proteínas (leite e carnes). Além de direcionar R$ 400 milhões para bares, restaurantes, entre outros. Com isso, tira uma referência negativa que acabaria gerando uma enorme corrida dos estados para fazerem coisas semelhantes aumentando impostos em todo o Brasil.

Continua depois da Publicidade

Sobre a reparação, a Abrasel irá buscar na justiça. A associação tem lutado em todos os estados e municípios tentando ajudar na redução de impostos a fundo perdido. “Não vamos abrir mão de quaisquer que sejam os recursos, o que a gente puder ter ao nosso alcance para conseguir reparação, para tanta perda e tanto sofrimento que esse setor pagou. Uma conta injusta, desproporcional, pelo bem coletivo” fala o presidente.

Embora a pandemia esteja no seu pior momento, Paulo acredita que este é o último ciclo negativo, pois daqui para frente não devem ser impostas novas restrições no setor. A Abrasel está otimista que, a partir do dia 15 de abril, só encontrará medidas de flexibilização.

Continua depois da Publicidade

“Nós devemos nos próximos dias vacinar um milhão de pessoas por dia, atingindo todos com mais de 60 anos e os grupos prioritários. Isso representa de 80% a 85% da demanda do sistema de saúde no Brasil. Com isso nós não vamos ter mais problemas de UTI, e iremos aos poucos voltando ao normal. A imunidade da vacinação se soma, é claro, a toda essa de várias pessoas que se imunizaram, tendo já pego a doença” acredita Paulo Solmucci.

* Com informações da assessoria de imprensa